Nova economia global exige ação e adaptação

Nesta edição especial, alunos do Instituto Joseph H. Lauder de Administração & Estudos Internacionais analisam algumas das mudanças mais profundas que estão ocorrendo na América Latina e seu impacto sobre as populações e as indústrias locais.

Os artigos apresentam novas perspectivas sobre as tendências que caracterizarão o ano: melhorias nas oportunidades de estudo para os alunos das classes média e baixa do México; como o Brasil poderá, ou não, se beneficiar da Copa do Mundo de 2014, bem com uma análise dos projetos de moradia sustentável em curso no México, entre outros.

Os textos fazem parte do programa de Insight sobre Negócios Globais do Instituto Lauder. Para artigos sobre outras regiões: http://knowledge.wharton.upenn.edu/papers/download/012611_Lauder_Global_Business_Insight.pdf




Private equity no Brasil: o início de uma nova era

A indústria relativamente jovem de private equity (PE) no Brasil passou por uma expansão sem precedentes desde 2004, ocasião em que os investidores decidiram testar o desempenho dos gestores de fundos interessados nessa potência mundial emergente. No decorrer dos últimos seis anos, o volume de capital investido em PE na região cresceu quase que seis vezes chegando a aproximadamente US$ 28 bilhões atualmente. O varejo, TI e os setores industriais receberam a maior parte dos investimentos. O que chamou tanto a atenção dos investidores no Brasil?
http://www.wharton.universia.net/index.cfm?fa=viewArticle&id=2017&language=Portuguese
 

As universidades com fins lucrativos resolverão o problema de acesso ao ensino superior no México?

Apesar de ostentar uma das 15 maiores economias do mundo e contar com acesso preferencial ao mercado americano, o México continua a enfrentar dificuldades para atender a algumas das necessidades básicas de seus cidadãos. Mas há também boas novas: embora 50% dos mexicanos continuem a padecer de algum tipo de pobreza, o abismo histórico entre ricos e pobres vem diminuindo nos últimos tempos, e um número cada vez maior de jovens mexicanos exige agora acesso ao ensino superior.
http://www.wharton.universia.net/index.cfm?fa=viewArticle&id=2019&language=Portuguese
 

Da periferia à prosperidade: Salvador e a Copa de 2014

Impacto econômico esperado: R$ 183,2 bilhões (US$ 107 bilhões); novos empregos estimados: 710.000; impacto previsto para o turismo: R$ 9,4 bilhões (US$ 5,5 bilhões). Enquanto o Brasil se prepara para sediar a Copa do Mundo de 2014, as primeiras páginas dos jornais do país apresentam previsões impressionantes sobre o impulso fabuloso que o evento dará à economia brasileira. Mas, será verdade mesmo? Conforme já se viu em megaeventos anteriores, os altos investimentos necessários para a realização bem-sucedida de um evento nem sempre trazem os retornos econômicos esperados ou o aumento imediato do turismo.
http://www.wharton.universia.net/index.cfm?fa=viewArticle&id=2016&language=Portuguese
 

Moradia sustentável: uma solução para o México

Instabilidade política, violência relacionada à droga, pobreza, aquecimento global. Embora o México pareça estar diante de desafios intransponíveis, o atual governo está recorrendo a ações inovadoras para lidar com essas dificuldades. Uma medida particularmente importante nesse sentido são as iniciativas de incentivo ao desenvolvimento de moradias sustentáveis para os mais necessitados.
http://www.wharton.universia.net/index.cfm?fa=viewArticle&id=2018&language=Portuguese
 

Tráfico de drogas, violência e futuro econômico do México

O México produz e distribui maconha, cocaína, heroína e metanfetamina para a maior parte do mundo. O tráfico de drogas é uma atividade lucrativa para os cartéis mexicanos e gera receitas anuais de US$ 35 bilhões a US$ 45 bilhões com uma margem de lucro de aproximadamente 80%. Diante desses números, muitos cartéis recorrem à violência e à intimidação para defender os lucros que obtêm com a produção e a distribuição de drogas. Quais são as fontes da violência no México, cada vez mais associada às drogas, e qual seu impacto econômico, inclusive sobre os custos diretos e indiretos? Por fim, qual tem sido a resposta da comunidade econômica mundial?
http://www.wharton.universia.net/index.cfm?fa=viewArticle&id=2015&language=Portuguese
 



Sponsor Knowledge@Wharton

buscar | inscrição | sobre nós | ajuda | início | contato | patrocinadores


O copyright de todos os materiais é propriedade da Wharton School da Universidade de Pennsylvania e Universia. Política de Privacidade